segunda-feira, 4 de junho de 2007

Ciúmes.

CIÚMES NORMAL E EXCESSIVO

"Os ciumentos sempre olham para tudo com óculos de aumento, os quais engrandecem as coisas pequenas, agigantam os anões e fazem com que as suspeitas pareçam verdades." (Cervantes)

Definição:

Em francês a palavra "jalousie" significa ciúme. Dela derivou o termo "gelosia" que por muito tempo se usou para denominar a janela. Segundo o doutor em Letras Dionísio da Silva, "maridos ciumentos teriam trazido a persiana ou a veneziana para as casas para evitar que as mulheres pudessem ser vistas da rua, mas sem impedi-las de ver o que se passava lá fora".

O ciúmes é um sentimento que tem a idade do homem. Sócrates o definiu como "a dor da alma".

Esse sentimento, por muitas vezes, adquire um furor tão devastador que William Shakespeare o chamou de "monstro dos olhos verdes" e é sobre ele sua obra do século XVII, em que "Otelo – O Mouro de Veneza"; movido por um ciúme doentio do seu melhor amigo com sua esposa, acaba matando a honesta, terna e doce Desdêmona.

O drama de Shakespeare se repete até nossos dias. Muitos Otelos e Desdêmonas da vida encenaram e encenam seu texto na vida real.

O ciúmes:

Para alguns o ciúme é visto como uma espécie de zelo, um sinal de amor, como um renovador de relacionamento desgastado e valorização do parceiro; para outros, é prova de insegurança e auto-estima rebaixada.

É certo que esse sentimento se torna perigoso para quem é alvo dele quando essa "dor da alma" se transforma em patologia. É uma doença universal e democrática, pois ataca igualmente a homens e mulheres, reis e plebeus. Os sintomas são os mesmos através do tempo. O que difere de uma pessoa para outra é a forma de dar vazão a essa angústia irada.

O que move o ciumento ou a ciumenta é um desejo de controle total do(a) companheiro(a), mas, por mais controle que consiga sobre o outro, nunca é o suficiente. A pessoa que padece desse mal está sempre em busca de confissões e confirmações para suas suspeitas e mesmo que as consigam, nunca está satisfeito, pois continua ruminando suspeita por algo mais.

O ciumento vive em eterno sofrimento, o que lhe causa estresse, descontrole emocional e o relacionamento fica tenso. Esse descontrole pode levá-lo a protagonizar cenas ridículas e constrangedoras em público. Apesar do sentimento de culpa que carrega, seu pensamento obsessivo pode ocasionar a perda da(o) parceira(o). É um paradoxo, pois todo seu sofrimento se resume no medo de perder o outro.

No ciúme patológico a pessoa pode ir até ao delírio, construindo pensamentos que só existem na sua imaginação. Mesmo que haja um motivo real para o ciúme, sua mente distorcida o faz ir além.

Como saber se o ciúme é normal ou se já está com ares de patologia?

O ciúme normal é transitório e baseado em fatos reais.
A presença do ciúmes é saudável nas relações amorosa. O ciúmes serve como um sensor, uma medida da segurança que se sente na relação.

Quando o ciúmes se torna excessivo, ao invés de fazer bem ao relacionamento, acaba tendo o efeito oposto, muitas vezes afastando o companheiro. Na ânsia de não perder a pessoa amada, o ciumento cerceia seus passos e sua liberdade de tal modo, invadindo seu espaço pessoal e sua privacidade, ferindo seus sentimentos com acusações infundadas, que afrouxa os laços que os uniam. O controle que o ciumento tenta impingir aos seu parceiro vai "sufocando" a vítima do ciúmes, que se afasta cada vez mais para poder "respirar". Seus atos, suas amizades, seu trabalho, seus pensamentos, suas fantasias e lembranças, tudo parece ameaçar a segurança do ciumento. O ciúmes doentio faz com que sua vítima se sinta cada vez mais ressentida com a falta de confiança do companheiro em seu comprometimento para com ele.
A pessoa cujo ciúme é doentio pode, por exemplo, ter um comportamento parecido com esse: se o outro diz que vai viajar, irá crivá-lo de perguntas: com quem vai, aonde vai, demora, não demora, e monitora-o pelo telefone. É comum na volta da viagem e mesmo no dia-a-dia, vasculhar as coisas do outro a procura de indícios de infidelidade, inclusive a memória do celular.

À simples menção de um(a) ex, é motivo para fazer uma cena onde a agressividade pode estar presente em palavras e até fisicamente.

Se o outro sai com amigos do mesmo sexo para ir a um barzinho, fica telefonando para saber se está lá mesmo e principalmente para escutar o barulho do ambiente procurando ouvir vozes do outro sexo, isso quando não vai até lá para verificar "in loco".

Pergunta como quem não quer nada a amigos e parentes sobre seu comportamento na sua ausência. Sua vida profissional fica prejudicada, pois não consegue pensar em outra coisa além das suas ruminações. Coloca investigador para segui-lo, ou segue-o pessoalmente. Faz tudo que uma mente descompensada, dominada pela desconfiança e insegurança pode conceber...

Esse modo distorcido de vivenciar o amor faz com que a pessoa experimente várias emoções, assim como: ansiedade, depressão, raiva, vergonha, insegurança, explosões de amor, humilhação, culpa, desejo de vingança...

O q causa o ciúmes:

De modo geral, o ciúmes muito intenso é sinal de dificuldades emocionais.
A desvalorização de si mesmo, a baixa estima, é uma das causas importantes do ciúmes intenso. Pessoas seguras de si, de seu valor, costumam lidar bem com seus sentimentos de ciúmes, não se deixando levar por eles e até fazendo com que revertam em proveito do próprio relacionamento. A segurança contra a competição é a grande arma destas pessoas. O medo da intimidade também pode ser uma das causas do ciúmes em demasia, que é utilizado neste caso para distanciar o parceiro. Outro fator que pode levar à desconfiança e ao ciúmes descontrolado é a mudança no comportamento do parceiro, que pode ser interpretada pelo companheiro como sinal de que pode estar havendo ou haver maior oportunidade de traição. A diminuição da freqüência sexual de um dos companheiros pode ser uma destas mudanças. O aumento do rol de interesses e interações sociais de um parceiro que "parecia sobre controle", também. Um fator importante em todos os casos de ciúmes demasiado é a prevalência da fantasia em detrimento da realidade, que alimenta esta emoção. Pensamentos e/ou imagens distorcidos aumentam o ciúmes, o que leva a novos pensamentos e/ou imagens distorcidos, em um círculo vicioso.

O ciumento excessivo, muitas vezes, deve "perder o medo de perder, para não perder". Manter um equilíbrio entre o medo de perder o parceiro .

Para ciumentos
excessivo é recomendável a ida a um psicólogo(não psiquiatra) que pode ajudar a entender a origem deste ciúmes e ajudar a controla-lo.




Descubra se Você É Uma Pessoa Ciumenta.

Pesquisa realizada no Google, trechos retirados de textos escritos por:
Kelen de Bernardi Pizol *- psicoterapia individual e terapia de casal - Butantã, São Paulo;
Maria Luiza Curti é psicóloga e webjornalista (Psicóloga clínica – crp. 14/01733-1).

3 comentários:

kamilla Marianne disse...

Oláaa , poxa adorei seu blog ..
estou te seguindoo
um abraço

gabriela ciribelli disse...

lindo aqui , segue meu blog ?
thisisreeal.blogspot.com

lele figueiredo disse...

Olá gente vim atravez deste post para comunicar a vc que esta passando por situações no seu relacionamento , desconfia que esta sendo traida ou traido ?
então olha vc precisa de uma equipe proficional de monitoramento e rastremaneto virtual eles são os melhores e honestos gente vale a pena ,olha eu descobri que meu marido me traia com duas novinhas atravez deles ,uma amiga me indicou eles ai pedi que hackeaçem o facebook dele peguei as conversas ,como me ajudaram vou deixar o contato deles pois garanto que muinta gente precisa destes verdadeiros anjos contato é:carrobaraloh@yahoo.com.br ou pelo skype:ristishi bjsss